sábado, 19 de abril de 2014

A VIA SACRA DE JOSUÉ.

Retornando de Paranaguá  na última terça feira  no ônibus das 15:15, sentou-se ao meu lado um familiar do jovem Josué dos Santos Xavier. 
Essa pessoa me contou emocionada sobre o sofrimento que foi presenciar as ultimas horas de vida do seu ente querido. 

Com vários documentos em mãos, essa pessoa me descreveu a “Via SACRA” de Josué quando necessitou do pronto atendimento no hospital de Antonina. 

O caso é simplesmente estarrecedor. 
Segundo esta pessoa, da entrada no hospital, até o devido encaminhamento ao Regional de Paranaguá, se passaram nada menos que 29 horas. 

Não é possível aceitar que em um caso que desde o início, se apresentou de extrema gravidade, ninguém, nenhum responsável pela Secretaria Municipal de Saúde, tenha tomado a iniciativa de encaminhar “imediatamente” o paciente para o necessário e emergencial atendimento. 
Segundo o laudo que me foi apresentado, a causa da morte foi leptospirose, e também segundo informações, a família já tomou todas as providências visando responsabilizar criminalmente todos os responsáveis. 

De maneira nenhuma podemos pré julgar os valentes e guerreiros funcionários do nosso hospital que vem dentro das condições apresentadas, cumprindo com os seus deveres. 

O que se deve ressaltar e repudiar no caso Josué, é a flagrante falta de comando frente a Secretaria de Saúde.

Agora foi o Josué e amanhã quem será? 

Para a família do jovem Josué, ficam aqui as minhas condolências.

sexta-feira, 11 de abril de 2014

VARGAS, CASA DAS MARISQUEIRAS E A PERIGRINAÇÃO DE REQUIÃO.



Matéria “Casa das Marisqueiras” repercute no JB.  

Semana passada, postei sobre o tema que foi matéria nesta semana no Jornal dos bairros do amigo Gilberto.

Mesmo com a frágil versão do Secretário de Meio Ambiente quanto ao visível estado de abandono da obra na Praia dos Polacos (versão que obviamente não se sustenta nos fatos) acredito que se houver bom senso, a atual gestão municipal irá procurar parceria com  a EMATER e Colônia de Pescadores e dará prosseguimento a este importante projeto social.

Até porque, é só uma questão de tempo para que o MPA – Ministério da Pesca e Aqüicultura,  um dos agentes participantes do projeto, intervenha na questão.


 André Vargas no olho do Furacão.


Essa semana foi um tanto quanto tumultuada para o Deputado Federal André Vargas que coincidentemente,  foi o deputado que intercedeu para a realização do Projeto Casa das Marisqueiras.

Além  da  Polícia Federal  estar fechando o cerco na relação de Vargas com o doleiro  Youssef, o deputado está sendo vítima do tradicional “fogo amigo”. Pior,  será inevitável que  mais esse escândalo não  respingue  na  já  fragilizada  candidata  ao  governo  do  estado , Gleisi Hoffman.



Requião em Antonina


O senador Roberto Requião, nas suas andanças em busca de apoio à sua candidatura  ao governo do estado , mais uma vez reuniu lideranças e falou da importância do PMDB ter um candidato próprio ao governo do estado.

Como no primeiro encontro  acontecido em Ipanema (Pontal do Paraná), o Senador Requião passou  por Antonina  e posteriormente seguiu à Paranaguá onde aconteceu o 2º encontro no litoral em prol da sua candidatura. 
 
José Paulo Vieira Azim, presidente do PMDB/Antonina  presente na primeira reunião no litoral realizada em Ipanema.

quinta-feira, 3 de abril de 2014

CASA DAS MARISQUEIRAS.


Após se constatar as precárias condições em que as mulheres que trabalham com a extração do marisco se encontravam, se resolveu dar o início ao projeto Casa das Marisqueiras na localidade da Praia dos Polacos.
O projeto pioneiro no litoral do Paraná, tem como objetivo prático proporcionar para essas guerreiras mulheres,  um local digno e apropriado para que o marisco coletado fosse beneficiado, armazenado e comercializado com mais qualidade.
Com a iniciativa da Colônia de Pescadores o projeto teve o apoio do Deputado Federal André Vargas e foi encampado pela Prefeitura de Antonina - gestão 2009/2012.

Além da construção física da Obra, o projeto previa a compra dos equipamentos necessários para o exercício da  atividade como; Freezers, Fogões industriais, máquinas de fazer gelo, câmara fria, Vaps e outros.
Em um segundo estágio a proposta seria dar apoio às marisqueiras  ministrando paulatinamente, cursos básicos de gestão e manipulação de alimentos.

Ao final de 2011, período em que me desliguei da Secretaria do Meio Ambiente, a parte física do projeto como mostram as fotos, já estava 90% concluída.
Segundo informações, em 2012 a listagem dos equipamentos foi aprovada,  licitada e comprada  pela prefeitura se encontrando hoje, armazenados na sede da Secretaria do Meio Ambiente.
Representantes da Colônia de Pescadores e o amigo Hudson, fiscal do Ministério da Pesca.

Esta semana fui Indagado sobre o projeto e, a título de curiosidade fiz uma visita na Casa das Marisqueiras.  Para a minha decepção, o que encontrei foi a parte física do projeto em situação de pleno abandono.


A iniciativa, segundo levantamento da Colônia de Pescadores, atenderia mais de 20 famílias,  portanto,  espero sinceramente que a já não tão nova gestão municipal se sensibilize com esse importante projeto social e lhe dê a devida atenção e continuidade.

quinta-feira, 27 de março de 2014

AVENIDA CONDE MATARAZZO, EM RITMO DE BR OU; UM VERDADEIRO CONVITE À TRAGÉDIA.

A falta de sinalização  dessa importante avenida de nossa cidade faz com que esta pareça mais com uma movimentada BR.
Alguns  motoristas tanto de carros pequenos, como os de caminhões, se aproveitam do retão e da falta de sinalização e literalmente “voam” na avenida sem lei. 


Enquanto os acidentes vão se multiplicando, os “responsáveis”  pela execução da obra 
( MEGA PAV )  e pela fiscalização (PREFEITURA DE ANTONINA), fazem pouco caso e vão deixando a coisa correr ao “Deus dará”.

  
Já a Polícia Militar, devido a falta de sinalização, pouco pode fazer.

Nenhum redutor de velocidade, nenhuma placa, nenhuma sinalização tanto na via, como na ciclovia.

Nesta avenida estão localizados o Colégio Estadual Moisés Lupion e a Escola Municipal Gil Ferez o que faz com que a situação se agrave  com o início do ano letivo.  De segunda a sexta, na parte da manhã e na parte da tarde, é intensa a circulação de jovens estudantes que além de ficarem expostos aos perigos de uma via sem sinalização,  disputam a calçada com bicicletas em uma ciclovia que também não está sinalizada.
Como vemos no anexo do plano de trabalho da obra, a sinalização está prevista em projeto, mas inexplicavelmente, nada foi ainda executado. Vale lembrar que o prazo de entrega desta obra ( já com o aditivo de tempo de 1 ano ) já expirou.
 

Abre a torneira. Fecha a torneira.

A TRANSPETRO, que inicialmente “abriu a torneira” quanto ao cronograma físico/financeiro da obra, após a coisa toda ir pro ventilador, está procurando cumprir o que diz o plano de trabalho e está condicionando os últimos repasses à apresentação de relatórios e ao término da obra.
Aliás, o 4º repasse dos recursos, segundo o formulário de informação da TRANSPETRO, só acontecerá após o término da obra.
  

Nada mais justo já que praticamente 80% dos recursos já foram passados para a Prefeitura e para a empreiteira.

CEI dormiu...

A CEI da Câmara Municipal - Comissão Especial de Investigação - composta por 3 ou 4 vereadores, tinha a incumbência de investigar as mazelas desta obra, mas ao que parece, aderiu ao estado de inércia dos outros tantos vereadores e “dormiu”, deixando um cheirinho de Pizza no ar.

Pela proteção divina e do Ministério Público.

Pelos nossos jovens estudantes pedimos a proteção divina.
Já quanto a  falta de ação das autoridades que talvez não estejam tão preocupadas com a situação pelo motivo de seus filhos não estudarem nos colégios citados,  o jeito é apelar para outras vias.

Como diz o meu amigo Lázaro, comerciante estabelecido na avenida; “ A situação é  agonia pura ”